terça-feira, 29 de abril de 2008

o exercício da criação

muitas vezes tenho nítido o que quero comer, outras inúmras, tenho apenas vontade de cozinhar...é algo natural, desde muito cedo tenho essa pré disposição. começou lá atrás com bolinhos de barro, depois vieram: o bolo de cenoura que grudava no fundo da forma; a bolo de abacaxi que ficou cru; o bolo torto de chocolate...e mesmo após tantos desastres inesquecíveis perpetuei a confecção dos bolos.

adoro bater um bolinho, mas não pelo fato de depois me deliciar. o que quero é descobrir novas possibilidades, sentir o poder da criação, cultivar novos hábitos, experimentar sensações... todos esse processos me incitam a desenvolver e a criação está completamente ligada a alimentação.

entende-se por criar o efeito de produzir, dar à luz, prover, assim como educar e amamentar um filho, ou os animais cultivados para nossa alimentação... sim tudo isso é criar...

se instigue, estimule-se e permita-se errar, queimar um bolo ou ter um "embatumado", mas não deixe de exercitar-se, só assim depois de muitas receitas seguidas a risca, uns pitacos aqui outros ali, alguns fiascos é que consiguirás libertar a mente de regras, padrões pré estabelecidos de bolo fofo, claras em neve e estabelecerá suas próprias proporções e medidas, seus sabores e recordações.

obs.: esse post foi criado num momento de falta de "luz", sei que quero faezr um pão mas qual?? quem sabe se for pra cozinha sem nada em mente não crio algo novo??? muito provavelmente sim!

22 comentários:

Laurinha disse...

Tenho certeza que sim....... libere a alquimista!!
Beijinhos,

Cris disse...

Laila, seria esta a introdução do seu livro? oh my, está perfeito, uma obra de arte este texto. Beijinhos, livro!!! Queremos livro!!!!

pipoka disse...

Esse seu texto é também uma lição de vida: uma metáfora que pode ser transposta para outras áreas que não só a gastronómica.

bjs

Patricia Scarpin disse...

Laila, amei o post e me identifiquei muito com ele!
Também tenho vontade de preparar as coisas muito mais pelo prazer de fazer do que pelo de comer, tanto que adoro sair dividindo os bolos, muffins e cookies por aí.

Linda você, e tão inspirativa!

Baú da Conceição disse...

Uauu, sou um pouco assim.

Beijinhos.

Marizé disse...

Essa visão poética da culinária feita por paixão é bem verdadeira e te encaixa na perfeição.

Bjs

Silvia Arruda disse...

Falou e disse em poucas palavras. Acredito que o que você sente é bem parecido com que muitos de nós blogueiros sentimos tb! :)

Gourmandise disse...

Que texto lindo! Acho que ser cozinheiro é isso! Ficar extremamente feliz quando conseguimos realizar um prato que amamos ou "(re)criar" algo diferente.
Quando minha "luz" ameaça ficar no standby, abro a geladeira e armários e fico observando os ingredientes (inclusive a validade deles).
bjocas,
Nina.

Ana disse...

Vamos menina....saia logo dessa abstração e abane o fogo !!!!!!

Beijos meus e da Bruna.

Lílian disse...

Laila, eu sou mais pelo comer hehe
Beijo

Goreti disse...

Somos assim mesmo, fazemos o que mais nos dá prazer, COZINHAR, sem compromisso, com alegria e satisfação de ver nossas criações ou copiações, com os devidos créditos, é claro, agradando gregos e troianos, como vc descreveu sem muitas vezes dar certo, ou as vezes até dá para os outros mas não para nós. E lá vamos novamente...

Amei seu texto, conseguiu captar bm a ess~encia dos nossos sentimentos em relação a este mundo tão fabuloso da culinária...faço questão do meu livro autografado!!!

Beijos!!!

chrises disse...

E esse foi o da falta de inspiração!! Quando tiver luz, vai ofuscar o sol, garota!!!!
Amei! De coração, amei mesmo!!!
Não fosse o meu "estado bódico" de hoje acho até que ia pra cozinha inventar um bolo qualquer!

Sabrina disse...

Adorei seu post, com poucas palavras vc consegui expressar tudo mesmo. Eu tbém as vezes sou assim (ou melhor sempre),tenho muito vontade de fazer algo, mas ficou pensando um tempão em que fazer,só pelo simples fato de apenar cozinhar.
Beijos

Marcele Martins disse...

Diga lá se essa jovenzinha nao tem futuro:

"entende-se por criar o efeito de produzir, dar à luz, prover, assim como educar e amamentar um filho, ou os animais cultivados para nossa alimentação... sim tudo isso é criar... "

Laila adorei seu texto e me identifiquei tanto! Que delícia! Parabéns e muito sucesso com seus bolos! Beijo!

Receitas da Filipa disse...

Laila, adorei o seu post! Realmente em poucas palavras conseguiu dizer tudo o que todas nós sentimos a maior parte das vezes.
Eu também fico às vezes um tempão a pensar no que hei-de fazer, não pela vontade que tenho de comer algo mas sim pelo prazer que tenho em fazer. Para mim cozinhar é puro prazer. Por vezes nem tudo corre bem, mas é dos erros que aprendemos grandes lições e não só na culinária como também na vida.

Beijinhos

Dani Rollemberg disse...

Sinto exatamente as mesmas coisas.
Adoro ir para cozinha pelo simples fato de criar, de ter amor por esta "brincadeira" de misturar ingredientes.
Tenho certeza que essas mãozinhas de " princesa Mia" vão produzir coisas maravilhosas sempre.
Bjs

Vivian disse...

querida, tbem ja fiz muitos bolos de cenoura na adolescencia e muitas negas malucas embatumadas. Nem preciso dizer que tbem amei teu texto.
kisses kisses

cozinha da drica disse...

Laila você disse tudo , eu também já errei e chorei muito na cozinha mas jamais desisti! Bjks e ótimo feriado!

Gourmandise disse...

Sobre o bolo de pinhão, dá uma olhadinha neste blog: http://blogpannacotta.blogspot.com/2008/04/bolo-de-pinho.html
bjo,
Nina.

Dinha disse...

Laila, foi exatamente isto que me aconteceu este final de semana... Mistura aquí...um pouco disso aquí...e por aí vai... no final saiu um bolinho não tão apreciado pelos de casa... mais o que vale é a intenção... é sempre bom descobrir coisas novas. Abraço.

Luciana Macêdo disse...

Errar e recomeçar, criar e copiar, aprender e ensinar...são opostos que se completam. Dias assim fazemos grandes coisas. Você é especial.
Bjs!

Bia Belliard disse...

lindo o seu post ! Vc ja pode pensar em escrever um livro, que tal ? beijinhos